Autoconhecimento e a empatia

Empatia é colocar-se no lugar do outro. Contudo, é possível que, mesmo no papel de líder, haja situações em que realmente um indivíduo não se importe com o outro, quando este o desagrada ou o rejeita. Por hipótese, este tipo de comportamento foi o modo como aquele que ocupa a posição de líder aprendeu a se defender, quando não fora aceito, em algum contexto de sua vida.

No entanto, um líder precisa sentir empatia pelos liderados para poder desenvolvê-los. Mas como desconstruir a falta de empatia, quando há real desinteresse pelo liderado? O que o líder infere que o liderado pensa dele?Que memória foi ativada?

O caminho é buscar identificar qual a situação vivida, anteriormente, que formatou este jeito de reagir defensivamente, aproveitando a oportunidade de autoconhecimento. Para disponibilizar-se a educar o outro é necessário acolhê-lo, sem preconceito.

Esse post foi publicado em Reflexões e marcado por Elisete Pagano. Guardar link permanente.

Sobre Elisete Pagano

Pesquisadora, professional & self coach, analista comportamental, palestrante e consultora sênior em Liderança, Comportamento e Relações de Poder. Mestre em Educação - Unisinos; Professional & Self Coach - IBC; Especialista em Planejamento Estratégico de RH - UFRGS e Eng. da Qualidade - PUCRS; Especializanda em Filosofia Clínica - Instituto Packter; Especializanda em Psicologia Junguiana - FACIS/SP; Pós-graduada em Auditorias da Qualidade - PUCRS; Engª Química - PUCRS. Analista de Perfil Comportamental certificada pelo IBC. Exerceu função de Gerente de Desenvolvimento e de Processos em empresas de médio e grande porte, líderes de mercado. Atua em desenvolvimento comportamental de pessoas e organizações, com aperfeiçoamento de lideranças e autoconhecimento. Professora em cursos de extensão universitária. Sócia da Intelligentia Assessoria Empresarial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

50 − = 48