Autoconhecimento e a inteligência afetiva

Afetividade é o principal combustível do ser humano, contudo precisa ser uma afetividade sadia. Um líder, ao desenvolver a lógica do autoconhecimento, percebe a importância de aprender  ajustar o tom afetivo de alguns relacionamentos do passado, visando relacionar-se cada vez melhor, no seu dia-a-dia.

Quando o tom afetivo é calibrado, a inteligência afetiva emerge, resultando num maior discernimento para lidar com as emoções. Assim, um líder pode descontaminar sua racionalidade, potencializando as competências necessárias para tomar as decisões cabíveis. 

Esse post foi publicado em Reflexões e marcado por Elisete Pagano. Guardar link permanente.

Sobre Elisete Pagano

Pesquisadora, professional & self coach, analista comportamental, palestrante e consultora sênior em Liderança, Comportamento e Relações de Poder. Mestre em Educação - Unisinos; Professional & Self Coach - IBC; Especialista em Planejamento Estratégico de RH - UFRGS e Eng. da Qualidade - PUCRS; Especializanda em Filosofia Clínica - Instituto Packter; Especializanda em Psicologia Junguiana - FACIS/SP; Pós-graduada em Auditorias da Qualidade - PUCRS; Engª Química - PUCRS. Analista de Perfil Comportamental certificada pelo IBC. Exerceu função de Gerente de Desenvolvimento e de Processos em empresas de médio e grande porte, líderes de mercado. Atua em desenvolvimento comportamental de pessoas e organizações, com aperfeiçoamento de lideranças e autoconhecimento. Professora em cursos de extensão universitária. Sócia da Intelligentia Assessoria Empresarial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

47 + = 57