Autoconhecimento e o gerenciamento eficaz

Todo negócio precisa ser medido para ser gerenciado, exigindo adequadamente a definição e a interpretação de um conjunto de indicadores capazes de demonstrar a situação do negócio.

Quando algo não vai bem, as causas devem ser identificadas para que as devidas correções sejam feitas em tempo. A racionalidade, nestes momentos, deve ser potencializada, pois a solução de problemas tende a envolver profissionais de equipes de diferentes áreas da organização, podendo ativar emoções não boas por parte de alguns, dependendo da intensidade da pressão. 

No gerenciamento eficaz, presupõe-se atitudes que não provoquem conflitos entre as áreas, mas a criação de um ambiente propício para a exposição de argumentos e hipóteses. Assim, quem lidera estas reuniões deve ser o primeiro a saber lidar, racionalmente, com suas emoções, condição possível de ser alcançada com autoconhecimento, garantindo uma comunicação asserrtiva, na busca de resultado.

Esse post foi publicado em Reflexões e marcado por Elisete Pagano. Guardar link permanente.

Sobre Elisete Pagano

Pesquisadora, professional & self coach, analista comportamental, palestrante e consultora sênior em Liderança, Comportamento e Relações de Poder. Mestre em Educação - Unisinos; Professional & Self Coach - IBC; Especialista em Planejamento Estratégico de RH - UFRGS e Eng. da Qualidade - PUCRS; Especializanda em Filosofia Clínica - Instituto Packter; Especializanda em Psicologia Junguiana - FACIS/SP; Pós-graduada em Auditorias da Qualidade - PUCRS; Engª Química - PUCRS. Analista de Perfil Comportamental certificada pelo IBC. Exerceu função de Gerente de Desenvolvimento e de Processos em empresas de médio e grande porte, líderes de mercado. Atua em desenvolvimento comportamental de pessoas e organizações, com aperfeiçoamento de lideranças e autoconhecimento. Professora em cursos de extensão universitária. Sócia da Intelligentia Assessoria Empresarial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

18 − 15 =