Design Thinking

Uma prática que tem tido algum destaque em se tratando de inovação é o chamado Design Thinking. Esse é um movimento que procura colocar o design um passo adiante de sua função original, para além do design de produtos, levando-o ao nível do design do negócio. Um aspecto fundamental dessa prática é a inclusão dos clientes no processo do design. Embora isso não seja uma novidade – está nos fundamentos da Qualidade Total, modelo de gestão onde os bens e serviços devem ser direcionados pelas necessidades, expectativas e desejos dos clientes – vale conhecermos e entender suas premissas e processo.

O Design Thinking é uma abordagem que faz uso da criatividade para a geração de valor para os clientes, potencializando os resultados dos empreendimentos. O objetivo maior é dar respostas para problemas humanos, partindo do pressuposto de que não há apenas uma solução possível. Portanto, é um processo que exige mente aberta, receptividade a novas descobertas, experimentações e interatividade. Isso significa que o objetivo não é, necessariamente, melhorar o que já existe, mas sim criar soluções novas, diferenciadas, para as situações pesquisadas.

Em sua essência o Design Thinking é um processo exploratório, que passa por três etapas: inspiração, ideação e implementação. A inspiração surge motivada pelo vislumbre de uma oportunidade ou pela percepção de demanda por solução para algum problema; a ideação é a etapa onde são geradas, desenvolvidas e testadas ideias; com a implementação a ideia é levada do projeto ao mercado. Cada uma dessas etapas pode ser repetida inúmeras vezes, até se chegar a uma solução adequada. A cada rodada as ideias são refinadas e novas direções podem ser exploradas, a partir dos achados da observação da experiência do usuário sobre protótipos de produtos (bens ou serviços) criados na etapa anterior.

design_thinkingA aplicação do Design Thinking pressupõe a existência de restrições que devem ser vencidas. Essas restrições, em termos gerais, referem-se a três grupos que se sobrepõe: restrições às demandas humanas, restrições tecnológicas e restrições econômicas. Assim, a técnica busca vencer essas restrições dando respostas ao que é desejável (ponto de vista humano), ao que é factível (ponto de vista tecnológico) e ao que é economicamente viável (ponto de vista do negócio). Ao pensar em soluções que atendam a essas três frentes o Design Thinking leva ao desenho de novos modelos de negócio, colocando o design num patamar estratégico.

É importante observar que a técnica do Design Thinking não é aplicável apenas por profissionais da área do design. Muito pelo contrário, seu grande potencial criativo está na multidisciplinaridade da equipe de aplicação.

Por tudo que vimos sobre o Design Thinking, e pelo que conhecemos de técnicas japonesas relacionadas ao desenvolvimento de produtos, estamos diante de uma nova roupagem, com novas abordagens e ferramentas diversas, para um processo já bem experimentado e validado: o método do Desdobramento da Função Qualidade (QFD, de Quality Function Deployment), que também faz uso de observações e experimentações de campo. Em ensaio próximo vou abordar o método QFD.

Esse post foi publicado em Artigos e marcado por Robin Pagano. Guardar link permanente.
Robin Pagano

Sobre Robin Pagano

Pensador, palestrante e consultor sênior em Estratégia, Gestão e Inovação de negócio. Mestre em Eng. de Produção - UFRGS; Pós-graduado em Estudos de Políticas e Estratégias de Governo - PUCRS; Pós-graduado em Marketing de Serviços - ESPM/RS; Especializado em Gestão da Qualidade Total (TQM) - NKTS/Japão; Lead Assessor ISO 9000 - SGS-ICS; Engº Eletrônico - PUCRS. Atuou como Gerente de Desenvolvimento, de Processos e de Serviços em empresas de médio e grande porte, nacionais e multinacional, líderes de mercado. Professor universitário em cursos de MBA, Especialização e Extensão. Consultor sênior em Estratégia, Gestão, Qualidade e Inovação. Sócio da Intelligentia Assessoria Empresarial.

2 pensou em “Design Thinking

  1. Pingback: Ferramental para inovação | Blog Intellinsights

  2. Pingback: QFD, inovação com foco no cliente | Blog Intellinsights

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + 4 =