Pesquisa Básica: desbravamento para inovação

Uma das fontes mais comuns de inovação é sem dúvida a pesquisa básica. Contudo, como esse tipo de pesquisa não prima pelo compromisso com resultados práticos, podemos dizer que um de seus papeis é o desbravamento de trilhas para uma inovação mais efetiva.

A pesquisa básica, ou pura, proporciona a quebra de paradigmas, possibilita o avanço da ciência e a ampliação do conhecimento humano. Por definição ela não tem o objetivo de solucionar algum problema, muito embora possa ter sido desencadeada a partir de um sobre o qual se quer conhecer mais. Seu objetivo é responder ao porque das coisas, como funcionam. É muito comum que o desenvolvimento de uma aplicação prática, a partir dos achados da pesquisa básica, ocorra por outros que não os pesquisadores originais.

O desenvolvimento de pesquisa básica passa pela adoção de algumas premissas:

  • Abertura para o desconhecido
  • Atenção ao inesperado
  • Aceitação do imprevisível
  • Reconhecimento de ideias e verdades diferentes das nossas

Dado que pesquisa básica é aquela, em geral, desenvolvida em meios acadêmicos e alguns laboratórios de pesquisa & desenvolvimento, questões pertinentes ao nosso interesse – realizar inovação de produtos – são: Como aproveitar os “resultados” da pesquisa básica para a inovação de produtos? Como se pode avançar pelas trilhas abertas com essa pesquisa, até chegar a uma aplicação prática?

Primeiramente devemos considerar que os “resultados” da pesquisa básica, particularmente os advindos de pesquisadores dos meios acadêmicos, acabam publicados em artigos científicos. Esses, por sua vez, são apresentados em congressos ou revistas científicas periódicas de circulação aberta. Assim, o acesso aos seus achados só depende do interesse em sua busca. Portanto, uma organização que tem em seu cerne a inovação precisa estar atenta a essas publicações, deve ter pessoas dedicadas a vasculhar seu universo em busca de novos conhecimentos, de novas ideias, que possam servir de base para o desenvolvimento de produtos inovadores para seu negócio.

A partir da descoberta de alguma nova ideia que possa ser traduzida em uma solução de valor reconhecido, inovadora, dentro de sua gama de produtos, a organização deve partir para a pesquisa aplicada. O objetivo, então, passa a ser como aplicar essa ideia a seu negócio, como transformar a nova ideia em algo de valor comercial. Penso que aqui existe uma grande oportunidade para as empresas nacionais, pois muito poucas investem realmente em pesquisa aplicada focada em inovação. Talvez por acreditarem que isso exija um investimento elevado, sem retorno garantido, o que não é necessariamente uma verdade. Com métodos bem estruturados, já experimentados, como o QFD (Desdobramento da Função Qualidade) e outros, a pesquisa aplicada pode ser economicamente viável e muito bem sucedida. Mas isso será tema de ensaio próximo…

Esse post foi publicado em Artigos e marcado por Robin Pagano. Guardar link permanente.

Sobre Robin Pagano

Pensador, palestrante e consultor sênior em Estratégia, Gestão e Inovação de negócio. Mestre em Eng. de Produção - UFRGS; Pós-graduado em Estudos de Políticas e Estratégias de Governo - PUCRS; Pós-graduado em Marketing de Serviços - ESPM/RS; Especializado em Gestão da Qualidade Total (TQM) - NKTS/Japão; Lead Assessor ISO 9000 - SGS-ICS; Engº Eletrônico - PUCRS. Atuou como Gerente de Desenvolvimento, de Processos e de Serviços em empresas de médio e grande porte, nacionais e multinacional, líderes de mercado. Professor universitário em cursos de MBA, Especialização e Extensão. Consultor sênior em Estratégia, Gestão, Qualidade e Inovação. Sócio da Intelligentia Assessoria Empresarial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

− 4 = 3