Sobre negócio e estratégia

Muito apropriadamente alguém já disse que um negócio é uma aposta. A aposta do investidor, do empreendedor. Mas, como em toda aposta, há riscos; por outro lado, quanto maior o risco tende a ser maior o ganho possível.

Primeiramente vamos entender “porque uma aposta?” Em princípio todo negócio, todo empreendimento, começa na mente do empreendedor que acredita ter conhecimento e competência – sobre como produzir determinado bem e/ou oferecer determinado serviço – que o permita iniciar uma empresa que possa disponibilizar algo de valor (o produto, bem e/ou serviço) aos clientes. E esta é a aposta, a crença de que o que temos a oferecer será valorizado pelos clientes alvo.

Mas se isto é verdade, então porque muitos negócios não prosperam? Não basta ter uma ideia e a capacidade de elaborar o produto, um negócio vai muito além disso. É necessário ter também a competência para colocar o produto no mercado, distribui-lo, gerenciar a empresa, conduzir a equipe aos resultados almejados, etc.

Podemos traçar um paralelo com um jogo de cartas: existe o jogo em si e, nesse contexto, as apostas que são ou não colocadas na mesa. Um negócio é assim, a aposta só vai vencer se estiver bem fundamentada no jogo. No paralelo com uma empresa, o jogo é o dia a dia, a rotina de trabalho que se repete de semana a semana, mês a mês, ano a ano. A aposta vencedora depende da estratégia, ou seja, do caminho que se adota para colocar os produtos no mercado, mostrando aos potenciais clientes seu valor e deixando-os ao alcance.

Então, o que vem primeiro? A aposta ou o jogo? Logicamente, não faz sentido uma aposta sem um jogo. É no jogo do dia a dia que a aposta será colocada à prova. De nada adianta ter uma grande ideia e não saber como colocá-la em prática.

Na verdade, uma coisa leva a outra: para entrar no jogo do mercado, conquistando clientes, é preciso querer jogar e dentro do jogo, para ganhar, ter um diferencial – a aposta de valor. E mais, escolhido o jogo e a aposta, é necessário saber como colocar a aposta na mesa. Em outras palavras, é necessário ter uma estratégia e saber implementar essa estratégia.

Portanto, sem uma estratégia não existe, ou não aparece, o diferencial, aquilo que fará os clientes escolherem seu produto e não o dos concorrentes. Ter estratégia significa tomar decisões, fazer escolhas: o que oferecer e o que não oferecer, a quem atender e não atender; significa também estabelecer uma marca, uma identidade que possa ser reconhecida e dê credibilidade; significa ainda ter ou criar capacidade – financeira e de trabalho – para investir no dia a dia.

Estratégia é a alma do negócio. Colocar a estratégia em prática é o grande desafio: é preciso ter coragem para tomar e bancar decisões (fazer as apostas) e capacidade para implementar as ações necessárias à realização dos resultados almejados (permanecer no jogo).

Esse post foi publicado em Ensaios e marcado por Robin Pagano. Guardar link permanente.
Robin Pagano

Sobre Robin Pagano

Pensador, palestrante e consultor sênior em Estratégia, Gestão e Inovação de negócio. Mestre em Eng. de Produção - UFRGS; Pós-graduado em Estudos de Políticas e Estratégias de Governo - PUCRS; Pós-graduado em Marketing de Serviços - ESPM/RS; Especializado em Gestão da Qualidade Total (TQM) - NKTS/Japão; Lead Assessor ISO 9000 - SGS-ICS; Engº Eletrônico - PUCRS. Atuou como Gerente de Desenvolvimento, de Processos e de Serviços em empresas de médio e grande porte, nacionais e multinacional, líderes de mercado. Professor universitário em cursos de MBA, Especialização e Extensão. Consultor sênior em Estratégia, Gestão, Qualidade e Inovação. Sócio da Intelligentia Assessoria Empresarial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *