Uma racionalidade subjetiva, ao liderar

Nestes onze anos, estudando e ministrando o assunto, compreendi o processo do autoconhecimento como o desenvolvimento de uma racionalidade subjetiva que assume a história de vida como um material de pesquisa. Assim, busca-se conhecer melhor a gênese de algum padrão comportamental que se deseja mudar ao exercer a liderança, investigando-se uma experiência do passado, possível de estar relacionada à origem do padrão. Com discernimento, aprende-se a diferenciar o contexto do passado do contexto atual,ao liderar.

Publicado em Reflexões por Elisete Pagano. Marque Link Permanente.

Sobre Elisete Pagano

Pesquisadora, professional & self coach, analista comportamental, palestrante e consultora sênior em Liderança, Comportamento e Relações de Poder. Mestre em Educação - Unisinos; Professional & Self Coach - IBC; Especialista em Planejamento Estratégico de RH - UFRGS e Eng. da Qualidade - PUCRS; Especializanda em Filosofia Clínica - Instituto Packter; Especializanda em Psicologia Junguiana - FACIS/SP; Pós-graduada em Auditorias da Qualidade - PUCRS; Engª Química - PUCRS. Analista de Perfil Comportamental certificada pelo IBC. Exerceu função de Gerente de Desenvolvimento e de Processos em empresas de médio e grande porte, líderes de mercado. Atua em desenvolvimento comportamental de pessoas e organizações, com aperfeiçoamento de lideranças e autoconhecimento. Professora em cursos de extensão universitária. Sócia da Intelligentia Assessoria Empresarial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

28 − 24 =